facebook vkontakte e signs star-full

Zoely - Bula

Principio activo: Acetato de Nomegestrol

Composição

Zoely 2,5 mg/1,5 mg comprimidos revestidos por película

Composição Qualitativa e Quantitativa

Comprimidos revestidos por película ativos brancos: Cada comprimido revestido por película contém 2,5 mg de acetato de nomegestrol e 1,5 mg de estradiol (hemi-hidratado). Comprimidos revestidos por película placebo amarelos: O comprimido não contém substâncias ativas.

Excipientes com efeito conhecido Cada comprimido revestido por película ativo branco contém 57,71 mg de lactose mono-hidratada. Cada comprimido revestido por película placebo amarelo contém 61,76 mg de lactose mono-hidratada.

Lista completa de excipientes

Forma Farmacêutica

Comprimido revestido por película (comprimido). Comprimidos revestidos por película ativos: brancos, redondos e gravados com o código “ne” em ambos os lados. Comprimidos revestidos por película placebo: amarelos, redondos e gravados com o código “p” em ambos os lados.

Para que serve

Contraceção oral.

A decisão de prescrever Zoely deve ter em consideração os fatores de risco atuais de cada mulher, particularmente aqueles para o tromboembolismo venoso (TEV), e como o risco de TEV com Zoely se compara a outros contracetivos hormonais combinados (CHCs).

Contraindicação

Os contracetivos hormonais combinados (CHC) não podem ser utilizados nas seguintes situações. Uma vez que não se encontram ainda disponíveis dados epidemiológicos com CHCs contendo 17-estradiol, considera-se que as contraindicações para os CHCs contendo etinilestradiol se aplicam à utilização de Zoely. No caso de se manifestar pela primeira vez qualquer uma das situações durante a utilização de Zoely, o tratamento deve ser imediatamente suspenso.

Presença ou risco de tromboembolismo venoso (TEV)

Tromboembolismo venoso – TEV atual (a tomar anticoagulantes) ou história prévia (por exemplo, trombose venosa profunda [TVP] ou embolia pulmonar [EP]). Predisposição adquirida ou hereditária conhecida para tromboembolismo venoso, tal como resistência à APC (incluindo o fator V de Leiden), deficiência de antitrombina III, deficiência de proteína C, deficiência de proteína S. Grande cirurgia com imobilização prolongada Elevado risco de tromboembolismo venoso devido à presença de múltiplos fatores de risco.

Presença ou risco de tromboembolismo arterial (TEA)

Tromboembolismo arterial – tromboembolismo arterial atual, história de tromboembolismo arterial (por exemplo, enfarte do miocárdio) ou condição prodrómica (por exemplo, angina de peito) Doença cerebrovascular – AVC atual, história de AVC ou condição prodrómica (por exemplo, acidente isquémico transitório, AIT). Predisposição adquirida ou hereditária conhecida para tromboembolismo arterial, tal como hiperhomocisteinemia e anticorpos antifosfolípidos (anticorpos-anticardiolipina, anticoagulante lúpico). História de enxaqueca com sintomas neurológicos focais. Elevado risco de tromboembolismo arterial devido a múltiplos fatores de risco ou à presença de um fator de risco grave tais como: Diabetes mellitus com sintomas vasculares Hipertensão grave Dislipoproteinemia grave Pancreatite ou um antecedente relacionado se associado a hipertrigliceridemia grave. Presença ou antecedentes de doença hepática grave desde que os valores da função hepática não tenham regressado aos valores normais. Presença ou antecedentes de tumores hepáticos (benignos ou malignos). Presença ou suspeita de patologias malignas sensíveis aos esteroides sexuais (por exemplo, dos órgãos genitais ou das mamas). Hemorragia vaginal não diagnosticada. Hipersensibilidade às substâncias ativas ou a qualquer um dos excipientes mencionados na Composição.

Como usar

Tomar um comprimido por dia durante 28 dias consecutivos. Cada blister começa com 24 comprimidos ativos brancos, seguidos de 4 comprimidos placebo amarelos. O blister seguinte é iniciado imediatamente após o final do blister anterior, sem qualquer intervalo na toma do comprimido diário e independentemente da presença ou ausência de hemorragia de privação. Habitualmente, a hemorragia de privação surge no 2° ou 3° dia após a toma do último comprimido branco e pode não ter terminado antes de iniciar o próximo blister.

Populações especiais

Compromisso renal

Embora não estejam disponíveis dados em doentes com compromisso renal, é pouco provável que o compromisso renal afete a eliminação do acetato de nomegestrol e do estradiol.

Compromisso hepático

Não foram realizados estudos clínicos em doentes com insuficiência hepática. Uma vez que o metabolismo das hormonas esteroides pode estar comprometido em doentes com doença hepática grave, não é indicado o uso de Zoely nestas mulheres até que os valores da função hepática tenham regressado ao normal.

Modo de administração

Via oral.

Como tomar Zoely

Os comprimidos devem ser tomados todos os dias aproximadamente à mesma hora independentemente das refeições. Os comprimidos devem ser tomados com um pouco de líquido de acordo com a necessidade, e pela ordem indicada no blister. São fornecidas etiquetas autocolantes com os 7 dias da semana. A mulher deve escolher a etiqueta autocolante que começa com o dia em que ela inicia a toma dos comprimidos e colá-la no blister.

Como iniciar Zoely

Sem uso prévio de um contracetivo hormonal (no mês anterior) A toma do comprimido deve iniciar-se no 1o dia do ciclo natural da mulher (isto é, no primeiro dia da menstruação). Ao proceder desta forma, não são necessárias medidas contracetivas adicionais.

Mudar de um contracetivo hormonal combinado (contracetivo oral combinado (COC), anel vaginal ou sistema transdérmico) A mulher deve iniciar Zoely, preferencialmente, no dia a seguir ao último comprimido ativo (o ultimo comprimido que contém as substâncias ativas) do COC anterior mas, o mais tardar, no dia seguinte ao intervalo habitual sem comprimidos ou com comprimidos placebo do COC anterior. No caso de ter sido utilizado um anel vaginal ou sistema transdérmico, a mulher deve iniciar a toma de Zoely, preferencialmente, no dia da remoção mas, o mais tardar, quando a próxima aplicação deveria ser realizada.

Mudar de um método só com progestagénio (mini-pílula, implante, injetável) ou de um Dispositivo de Libertação Intrauterino (DLIU) A mulher pode mudar da minipílula em qualquer dia e Zoely deve ser iniciado no dia seguinte. Um implante ou um DLIU podem ser removidos em qualquer dia e Zoely deve ser iniciado no dia da remoção. Ao mudar de um injetável, Zoely deve ser iniciado no dia em que a próxima injeção deveria ser administrada. Em todos estes casos, a mulher deve ser aconselhada a usar um método de barreira adicional até a mulher completar 7 dias de toma ininterrupta de comprimidos ativos brancos.

Após um aborto ocorrido no primeiro trimestre

A mulher pode iniciar imediatamente. Ao proceder desta forma, não são necessárias medidas contracetivas adicionais.

Após um parto ou um aborto ocorrido no segundo trimestre

A mulher deve ser aconselhada a iniciar entre o 21o e 28o dia após o parto ou um aborto ocorrido no segundo trimestre. No caso de iniciar mais tarde, a mulher deve ser aconselhada a usar adicionalmente um método de barreira até completar 7 dias de toma ininterrupta de comprimidos ativos brancos. Contudo, se já tiver ocorrido uma relação sexual, deve ser excluída a possibilidade de gravidez antes de iniciar o COC ou a mulher deve esperar pelo seu primeiro período menstrual.

O que fazer em caso de esquecimento de comprimidos

O seguinte conselho apenas se aplica ao esquecimento dos comprimidos ativos brancos:

Se o atraso na toma de qualquer comprimido ativo for inferior a 24 horas, não há redução da proteção contracetiva. A mulher deve tomar o comprimido logo que se lembre e deve continuar a tomar os restantes comprimidos à hora habitual.

Se o atraso na toma de qualquer comprimido ativo for de 24 horas ou superior, pode haver redução da proteção contracetiva. Em caso de esquecimento de comprimidos, devem ser seguidas duas regras básicas:

São necessários 7 dias de toma ininterrupta de “comprimidos ativos brancos” para alcançar uma adequada supressão do eixo hipotálamo-hipófise-ovário. Quanto maior for o número de “comprimidos ativos brancos” esquecidos e mais perto se estiver da toma dos 4 comprimidos placebo amarelos, maior é o risco de gravidez.

Dia 1-7

A mulher deve tomar o último comprimido branco esquecido logo que se lembre, mesmo que isso signifique tomar dois comprimidos ao mesmo tempo. Posteriormente, deve continuar a tomar os comprimidos à hora habitual. Para além disso, deve ser utilizado um método de barreira, como um preservativo, até que a mulher complete 7 dias de toma ininterrupta dos comprimidos brancos. No caso de ter ocorrido relação sexual nos 7 dias anteriores, deve ser considerada a possibilidade de gravidez. Dia 8-17

A mulher deve tomar o último comprimido branco esquecido logo que se lembre, mesmo que isso signifique tomar dois comprimidos ao mesmo tempo. Posteriormente, deve continuar a tomar os comprimidos à hora habitual. Tendo em consideração que a mulher tomou os seus comprimidos corretamente nos 7 dias anteriores ao comprimido esquecido, não é necessário utilizar precauções contracetivas adicionais. Contudo, se a mulher se esquecer de tomar mais do que 1 comprimido, deve ser aconselhada a utilizar precauções adicionais até que complete 7 dias de toma ininterrupta dos comprimidos brancos.

Dia 18-24

O risco de redução da eficácia é eminente dada a proximidade do intervalo com comprimidos placebo amarelos. No entanto, é ainda possível prevenir a redução da eficácia contracetiva através de um ajuste no esquema de toma dos comprimidos. Ao aderir a qualquer uma das duas opções seguintes, não há necessidade de utilizar precauções contracetivas adicionais, desde que nos 7 dias anteriores ao primeiro comprimido esquecido a mulher tenha tomado todos os comprimidos corretamente. Se não for o caso, ela deve seguir a primeira destas duas opções e tomar também precauções adicionais nos próximos

7 dias.

A mulher deve tomar o último comprimido esquecido logo que se lembre, mesmo que isso signifique tomar dois comprimidos ao mesmo tempo. Posteriormente, deve continuar a tomar os comprimidos à hora habitual até os comprimidos ativos serem utilizados. Os 4 comprimidos placebo da última linha devem ser rejeitados. O blister seguinte deve ser iniciado imediatamente. É pouco provável que a mulher tenha uma hemorragia de privação até ao final dos comprimidos ativos do segundo blister, mas podem ocorrer pequenas hemorragias (spotting) ou hemorragias intra-ciclícas durante os dias em que toma comprimidos.

A mulher também pode ser aconselhada a interromper a toma de comprimidos ativos do blister atual. Posteriormente, deve tomar os comprimidos placebo da última linha no máximo durante 3 dias para que o número total de comprimidos placebo mais os comprimidos ativos brancos esquecidos não seja superior a 4 e, posteriormente, prosseguir com o blister seguinte.

Se a mulher se esqueceu de tomar comprimidos e, posteriormente, não tiver hemorragia de privação durante a fase de comprimidos placebo, deve ser considerada a possibilidade de uma gravidez. Tenha em atenção: Se a mulher não tem certeza do número ou cor de comprimidos esquecidos e qual opção de aconselhamento seguir, deverá ser usado um método de barreira até que a mulher complete 7 dias de toma ininterrupta dos comprimidos ativos brancos.

Esquecimento de comprimidos placebo amarelos

Não há redução da proteção contracetiva. Os comprimidos amarelos a partir da última (4a) linha do blister podem ser rejeitados. No entanto, os comprimidos esquecidos devem ser rejeitados para evitar o prolongamento não intencional da fase de comprimidos placebo.

Aconselhamento em caso de perturbações gastrointestinais

Em caso de perturbações gastrointestinais graves (p. ex., vómitos ou diarreia), a absorção das substâncias ativas pode não ser completa e devem ser tomadas medidas contracetivas adicionais. Se ocorrerem vómitos no período de 3 a 4 horas após a toma de comprimidos brancos, deve ser considerado que o comprimido não foi tomado e um novo comprimido deve ser tomado assim que possível. O novo comprimido deve ser tomado dentro das 24 horas em relação à hora da toma habitual dos comprimidos, se for possível. O próximo comprimido deve ser tomado à hora habitual. Se passarem 24 horas ou mais desde que o último comprimido foi tomado, é aplicável o conselho relacionado com o esquecimento de comprimidos descrito na seção “O que fazer em caso de esquecimento de comprimidos”. No caso da mulher não querer alterar o seu esquema habitual de toma de comprimidos, terá que tomar o(s) comprimido(s) branco(s) adicional(ais) necessário(s) de outro blister.

Como atrasar ou alterar um período menstrual

Para atrasar um período menstrual, a mulher deve continuar com outro blister de Zoely, sem tomar os comprimidos placebo amarelos do atual blister. Este prolongamento pode estender-se por tanto tempo quanto o desejado até ao final dos comprimidos ativos brancos do segundo blister. A toma regular de Zoely deve então ser retomada após a toma dos comprimidos placebo amarelos do segundo blister. Durante este prolongamento, podem ocorrer hemorragias intra-cíclicas ou spotting.

Para alterar o período menstrual para um dia da semana diferente daquele a que a mulher está habituada com o seu esquema atual, ela pode ser aconselhada a encurtar a fase de comprimidos placebo amarelos que possui a duração máxima de 4 dias. Quanto mais curto for o intervalo, maior é o risco de não ocorrer a hemorragia de privação e de ocorrerem hemorragias intra-cíclicas e spotting durante a toma do segundo blister (tal como quando se atrasa um período menstrual).

Precauções

Advertências

Se se manifestar alguma das situações ou fatores de risco abaixo mencionados, a adequação da utilização de Zoely deve ser discutida com a mulher.

Em caso de agravamento, ou primeira manifestação de qualquer uma destas situações ou fatores de risco, a mulher deve ser aconselhada a contactar o seu médico para decidir se o uso de Zoely deve ser descontinuado. Todos os dados referidos a seguir baseiam-se em dados epidemiológicos obtidos com os CHCs contendo etinilestradiol. Zoely contém 17-estradiol. Uma vez que não existem ainda dados epidemiológicos com CHCs contendo estradiol, considera-se que as advertências são aplicáveis ao uso de Zoely.

Risco de tromboembolismo venoso (TEV)

O uso de qualquer contracetivo hormonal combinado (CHC) aumenta o risco de tromboembolismo venoso (TEV) em comparação com a não utilização. Os contracetivos contendo levonorgestrel, norgestimato ou noretisterona estão associados ao menor risco de TEV. Ainda não é conhecido como o risco de Zoely se compara a estes contracetivos de risco inferior. A decisão de usar qualquer outra pílula que não as de risco inferior de TEV deve ser tomada apenas depois de discussão com a mulher para se certificar que ela compreende o risco de TEV com CHC, como os seus fatores de riscos atuais influenciam esse risco, e que o seu risco de TEV é maior no primeiro ano que utiliza CHC pela primeira vez. Existe também alguma evidência de que o risco está aumentado quando se reinicia um CHC após paragem de 4 semanas ou mais. Em mulheres que não usam um CHC e que não estão grávidas cerca de 2 em 10.000 mulheres irão desenvolver um TEV ao longo de um período de um ano. No entanto, em qualquer mulher, o risco pode ser bem maior, dependendo dos seus fatores de risco subjacentes (ver abaixo). Estudos epidemiológicos em mulheres que usam contracetivos hormonais combinados de baixa dosagem (< 50 μg de etinilestradiol) demonstraram que entre 6 e 12 em 10.000 mulheres, irão desenvolver um TEV num ano. É estimado que em 10.000 mulheres que usam um CHC contendo levonorgestrel cerca de 61irão desenvolver um TEV num ano. Não é ainda conhecido como o risco de TEV com CHCs que contenham acetato de nomegestrol em combinação com estradiol se compara com o risco de CHCs contendo baixas doses de levonorgestrel. O número de TEVs por ano com CHCs de baixa dose é menor do que o número esperado em mulheres grávidas ou no período pós-parto. O TEV pode ser fatal em 1-2% dos casos. Foram notificados casos de tromboses extremamente raros noutros vasos sanguíneos, por exemplo veias e artérias hepáticas, mesentéricas, renais ou da retina em utilizadoras de CHCs.

Fatores de risco para TEV

O risco de complicações tromboembólicas venosas em utilizadoras de CHC pode estar substancialmente aumentado em mulheres com fatores de risco adicionais, particularmente se existem fatores de risco múltiplos (ver tabela).

Zoely é contraindicado se uma mulher tem múltiplos fatores de risco que a colocam num risco elevado de trombose venosa. Se uma mulher tem mais de um fator de risco, é possível que o aumento do risco seja maior do que a soma dos fatores individuais – neste caso o seu risco total de TEV deve ser considerado. Se o balanço entre os benefícios e os riscos for considerado negativo, não deve ser prescrito um CHC.

Tabela: Fatores de risco para TEV

Fator de risco

Comentários

Obesidade (índice de massa corporal superior a 30 kg/m2)

O risco aumenta substancialmente à medida que o IMC aumenta.

É particularmente importante considerar se outros fatores de risco estão também presentes.

Imobilização prolongada, grande cirurgia, qualquer cirurgia nas pernas ou pélvis, neurocirurgia, ou trauma major

Nota: imobilização temporária incluindo viagem aérea > 4 horas também pode ser um fator de risco para TEV, particularmente em mulheres com outros fatores de risco.

Nestas situações é aconselhável que se descontinue a pílula (nos casos de cirurgia eletiva no mínimo 4 semanas antes) e não reiniciar até 2 semanas depois de completa retoma da mobilidade. Um outro método de contraceção deve ser usado para evitar uma gravidez não intencional.

Deve ser considerado um tratamento antitrombótico se Zoely não tiver sido descontinuado antecipadamente.

Antecedentes familiares positivos (tromboembolismo venoso num irmão ou algum dos pais particularmente numa idade relativamente jovem, por exemplo, antes dos 50 anos de idade)

Caso se suspeite de uma predisposição hereditária, a mulher deve ser referenciada a um especialista para aconselhamento antes de decidir tomar qualquer CHC.

Outras condições médicas associadas com TEV

Cancro, lúpus eritematoso sistémico, síndrome hemolítico urémico, doença inflamatória intestinal crónica (doença de Crohn ou colite ulcerosa) e anemia falciforme

Aumento da idade

Particularmente acima de 35 anos

1 Ponto médio do intervalo 5-7 por 10.000 mulheres/ano, baseado num risco relativo para os CHCs contendo levonorgestrel versus aproximadamente 2,3 a 3,6 para a não utilização.

Não existe consenso acerca do possível papel das veias varicosas e da tromboflebite superficial no aparecimento ou progressão de uma trombose venosa. O risco aumentado de tromboembolismo na gravidez, e particularmente no período de 6 semanas do puerpério, deve ser considerado.

Sintomas de TEV (trombose venosa profunda e embolia pulmonar)

No caso de sintomas as mulheres devem ser aconselhadas a procurar um médico urgentemente e informar o profissional de saúde de que está a tomar um CHC. Os sintomas de trombose venosa profunda (TVP) podem incluir:

Inchaço unilateral da perna e/ou pé ou ao longo de uma veia na perna; Dor ou sensibilidade na perna que pode ser sentida apenas quando está de pé ou a andar; - calor aumentado na perna afetada; pele vermelha ou descolorada na perna.

Sintomas de embolia pulmonar (EP) podem incluir:

Início súbito de falta de ar ou respiração acelerada inexplicáveis; - tosse repentina que pode ser associada a hemoptise. Dor aguda no peito; Tonturas ou confusão mental graves Batimento cardíaco rápido ou irregular.

Alguns destes sintomas (por exemplo, “falta de ar”, “tosse”) são não específicos e podem ser mal interpretados como situações comuns ou menos graves (por exemplo, infeções do trato respiratório). Outros sinais de oclusão vascular podem incluir: dor repentina, inchaço e descoloração azulada de uma extremidade.

Se a oclusão ocorrer no olho, os sintomas podem ir de visão turva indolor, que pode progredir para perda de visão. Às vezes, a perda de visão pode ocorrer quase imediatamente.

Risco de tromboembolismo arterial (TEA)

Estudos epidemiológicos associaram o uso de CHCs a um aumento do risco de tromboembolimo arterial (enfarte do miocárdio) ou acidente vascular cerebral (ex: acidente isquémico transitório, AVC). Os eventos tromboembólicos arteriais podem ser fatais.

Fatores de risco para TEA

O risco de complicações tromboembólicas arteriais ou de um acidente vascular cerebral em utilizadoras de CHCs aumenta em mulheres com fatores de risco (ver tabela). Zoely está contraindicado se uma mulher tem um grave ou múltiplos fatores de risco para TEA que a coloca em elevado risco de trombose arterial. Se uma mulher tem mais de um fator de risco é possível que o aumento do risco seja maior do que a soma dos fatores individuais – neste caso o seu risco total deve ser considerado. Se o balanço entre os benefícios e os riscos for considerado negativo, não deve ser prescrito um CHC.

Tabela: Fatores de risco para TEA

Fator de risco

Particularmente acima de 35 anos

Aumento da idade

Particularmente acima de 35 anos

Tabagismo

A mulher deve ser aconselhada a não fumar se pretende usar um CHC. Mulheres com mais de 35 anos que continuam a fumar devem ser fortemente aconselhadas a usar um método contracetivo diferente.

Hipertensão

 

Obesidade (índice de massa corporal superior a 30 kg/m2)

O risco aumenta substancialmente à medida que o IMC aumenta.

É particularmente importante em mulheres com fatores de risco adicionais

Antecedentes familiares positivos(tromboembolismo arterial num irmão ou algum dos pais particularmente numa idade relativamente jovem, por exemplo, antes dos 50 anos de idade)

Caso se suspeite de uma predisposição hereditária, a mulher deve ser referenciada a um especialista para aconselhamento antes de decidir tomar qualquer CHC.

Enxaquecas

Um aumento na frequência ou intensidade de enxaquecas durante a toma de um CHC (que poderá ser um sinal prodrómico de um acontecimento cerebrovascular) pode ser um motivo para interrupção imediata.

Outras condições médicas associadas com acontecimentos adversos vasculares

Diabetes mellitus, hiperhomocisteinemia, doença cardíaca valvular e fibrilhação atrial, dislipoproteinemia e lúpus eritematoso sistémico.

Sintomas de TEA

No caso de sintomas a mulher deve ser aconselhada a procurar um médico urgentemente e a informar o profissional de saúde de que está a tomar um CHC.

Sintomas de um acidente vascular cerebral podem incluir:

Entorpecimento ou fraqueza repentinos da face, braço ou perna, especialmente num dos lados do corpo; Problemas súbitos ao andar, tonturas, perda do equilíbrio ou coordenação; Confusão repentina, dificuldades em falar ou na compreensão; Dificuldade repentina em ver de um ou de ambos os olhos; Cefaleia repentina, grave ou prolongada com causa desconhecida; Perda de consciência ou síncope com ou sem convulsão:

Sintomas temporários sugerem que o acontecimento é um acidente isquémico transitório (AIT).

Sintomas de enfarte do miocárdio (EM) podem incluir:

Dor, desconforto, pressão, peso, sensação de aperto ou enfartamento no peito, braço ou por baixo do esterno; Desconforto que irradia para as costas, maxilar, garganta, braço, estômago; Sensação de enfartamento, de indigestão ou asfixia; Suores, náuseas, vómitos ou tonturas; Fraqueza extrema, ansiedade, ou dificuldade em respirar; Batimento cardíaco rápido ou irregular

Tumores

Em alguns estudos epidemiológicos foi notificado um risco aumentado de cancro do colo do útero em utilizadoras de longo prazo de COCs (> 5 anos), mas continua a haver controvérsia sobre em que medida este indício é atribuído a variáveis de confundimento de comportamento sexual e outros fatores tais como o vírus do papiloma humano (HPV). Não existem dados epidemiológicos disponíveis sobre o risco de cancro do colo do útero em utilizadoras de Zoely. O risco de cancro do ovário e do endométrio é reduzido com o uso de COCs de alta dosagem (50 μg de etinilestradiol). Tem ainda de ser confirmado se este facto também se aplica aos COCs contendo 17-estradiol. Uma meta-análise de 54 estudos epidemiológicos, notificou a existência de um ligeiro aumento do risco relativo (RR=1,24) de ter cancro da mama diagnosticado em mulheres que estão atualmente a utilizar COCs. O risco acrescido desaparece gradualmente no período de 10 anos após suspensão da utilização do COC. Uma vez que o cancro da mama é raro em mulheres com idade inferior a 40 anos, o número adicional de casos de cancro da mama diagnosticado em utilizadoras atuais e recentes de COC é pequeno em relação ao risco global de cancro da mama. Os cancros da mama diagnosticados em mulheres utilizadoras de COCs encontram-se, normalmente, num estádio clinicamente menos avançado do que os diagnosticados em não utilizadoras. Este padrão observado de aumento do risco pode estar relacionado com um diagnóstico de cancro da mama mais precoce em utilizadoras de COCs, com efeitos biológicos dos COCs ou uma combinação de ambos. Em casos raros, foram descritos em utilizadoras de COCs, tumores hepáticos benignos e ainda mais raramente, tumores hepáticos malignos. Em casos isolados, estes tumores originaram hemorragias intra-abdominais potencialmente fatais. Consequentemente, deve ser considerado o tumor hepático no diagnóstico diferencial quando ocorre dor abdominal intensa na zona superior do abdómen, hepatomegalia ou sinais de hemorragia intra-abdominal numa mulher que toma COCs.

Outras situações

Mulheres com hipertrigliceridemia, ou antecedentes familiares relacionados, podem ter um risco aumentado de pancreatite quando utilizam COCs. Embora tenham sido notificados ligeiros aumentos da pressão arterial em várias mulheres a tomar COCs, os aumentos clinicamente relevantes são raros. Não foi estabelecida uma relação entre a utilização de COC e a hipertensão clínica. Contudo, se surgir uma hipertensão mantida clinicamente significativa durante a utilização de um COC, será prudente o médico suspender a toma dos comprimidos e tratar a hipertensão. Se considerado adequado, a utilização do COC pode ser retomada desde que se tenham alcançado valores normotensivos com a terapêutica anti-hipertensiva. Foi notificada a ocorrência ou agravamento das seguintes situações, quer durante a gravidez quer durante a utilização de COC, mas a evidência de uma associação com a utilização de COC é inconclusiva: icterícia e/ou prurido relacionados com colestase; litíase biliar; porfiria; lúpus eritematoso sistémico; síndrome urémica hemolítica; coreia de Sydenham; herpes gestacional; perda de audição relacionada com otoesclerose. Em mulheres com angiedema hereditário, os estrogénios exógenos podem induzir ou exacerbar os sintomas de angiedema. As alterações agudas ou crónicas da função hepática podem requerer a suspensão da utilização do COC até que os marcadores da função hepática regressem ao normal. A recidiva de icterícia colestática que se manifestou pela primeira vez durante a gravidez ou utilização prévia de esteroides sexuais, exige a suspensão dos COCs. Embora os COCs possam ter um efeito sobre a resistência periférica à insulina e tolerância à glucose, não existe qualquer evidência sobre a necessidade de alterar o regime terapêutico em mulheres diabéticas que utilizam COCs de baixa dosagem (contendo <0,05 mg de etinilestradiol). Contudo, as mulheres diabéticas devem ser cuidadosamente vigiadas enquanto tomam um COC, especialmente durante os primeiros meses de utilização. Doença de Crohn, colite ulcerosa e agravamento da depressão têm sido associados à utilização de COC. Ocasionalmente poderá surgir cloasma, especialmente em mulheres com antecedentes de cloasma gravídico. As mulheres com tendência para cloasma, devem evitar a exposição ao sol ou à radiação UV durante a utilização de COCs. Doentes com problemas hereditários raros de intolerância à galactose, deficiência de lactase ou má-absorção de glucose-galactose, não devem tomar este medicamento.

Exame/consulta médica

Antes de iniciar ou reiniciar Zoely é necessário fazer uma história clínica completa (incluindo história clínica familiar) e deve ser excluída a possibilidade de gravidez. Deve ser medida a pressão arterial e deve ser realizado um exame físico, orientado pelas contraindicações e advertências. É importante captar a atenção da mulher para a informação sobre trombose venosa e arterial, incluindo o risco de Zoely comparado com outros CHCs, os sintomas de TEV e TEA, os fatores de risco conhecidos e o que fazer no caso de uma suspeita de trombose.

A mulher deve também ser instruída a ler atentamente o folheto informativo e a aderir aos conselhos dados. A frequência e natureza dos exames devem ser baseadas em recomendações clínicas estabelecidas e ser adaptadas a cada mulher.

As mulheres devem ser informadas de que os contracetivos hormonais não protegem contra infeções pelo VIH (SIDA) e outras doenças sexualmente transmissíveis.

Redução da eficácia

A eficácia dos COCs pode ser reduzida em situações como, por exemplo, esquecimento de comprimidos, perturbações gastrointestinais durante a toma de comprimidos ativos ou uso concomitante de medicamentos.

Controle do ciclo

Com todos os COCs, podem ocorrer hemorragias irregulares (spotting ou hemorragias intra-cíclicas), especialmente durante os primeiros meses de utilização. Consequentemente, a avaliação de qualquer hemorragia irregular apenas será significativa após um período de adaptação de cerca de 3 ciclos. A percentagem de mulheres a utilizar Zoely que têm hemorragias intra-cíclicas após este período de adaptação varia entre 15 e 20 %.

Se as irregularidades hemorrágicas persistirem ou ocorrerem após ciclos regulares anteriores, devem ser consideradas causas não hormonais e serem realizados exames complementares de diagnóstico adequados para excluir neoplasia ou gravidez. Estas medidas poderão incluir curetagem.

A duração da hemorragia de privação em mulheres a utilizar Zoely é de 3-4 dias, em média. As utilizadoras de Zoely podem também não ter a sua hemorragia de privação apesar de não estarem grávidas. Durante os ensaios clínicos, a ausência da hemorragia de privação variou ao longo de 1-12 ciclos entre 18 % e 32 %. Nestes casos, a ausência da hemorragia de privação não foi associada a uma maior ocorrência de hemorragias intra-cíclicas/spotting nos ciclos subsequentes. 4,6 % das mulheres não tiveram hemorragia de privação nos primeiros três ciclos de utilização e a ocorrência de ausência da hemorragia de privação em ciclos posteriores de utilização foi alta neste subgrupo, variando entre 76 % e 87 % das mulheres. 28 % das mulheres experienciaram ausência de hemorragia de privação em, pelo menos, um dos ciclos 2, 3 e 4, associado a ocorrências mais elevadas de ausência de hemorragia de privação em ciclos posteriores de utilização, variando entre 51 % e 62 %.

Se ocorrer ausência de hemorragia de privação e Zoely tiver sido tomado de acordo com as instruções Posologia, é pouco provável que a mulher esteja grávida. No entanto, deve ser excluída a possibilidade de gravidez antes de continuar a utilizar Zoely, se a mulher não tiver tomado os comprimidos de acordo com as instruções ou se não tiver duas hemorragias de privação consecutivas.

População pediátrica

Desconhece-se se a quantidade de estradiol no Zoely é suficiente para manter níveis adequados de estradiol em adolescentes, especialmente para o acréscimo de massa óssea.

Reações Adversas

Em estudos em animais, foi observada toxicidade reprodutiva com a associação de acetato de nomegestrol/estradiol (ver dados de segurança pré-clínica).

O aumento do risco de TEV durante o período pós-parto deve ser considerado quando se reinicia Zoely (ver secções 4.2 e 4.4).

Amamentação

Podem ser excretadas pequenas quantidades de esteroides contracetivos e/ou dos seus metabolitos com o leite materno, mas não existe evidência que isto afete negativamente a saúde do lactente.

A amamentação pode ser influenciada pelos COCs uma vez que estes podem reduzir a quantidade e alterar a composição do leite materno. Consequentemente, não é recomendada a utilização de COCs antes do desmame total do lactente e deve ser proposto um método contracetivo alternativo à mulher que deseja amamentar.

Fertilidade

Zoely é indicado para a prevenção da gravidez. Para obter informações sobre o retorno à situação de fertilidade.

Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Os efeitos de Zoely sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas são nulos ou desprezáveis.

Classes de sistemas de órgãos

Reação adversa de acordo com a terminologia MedDRA1

Muito frequentes

Frequentes

Pouco frequentes

Raros

Doenças do metabolismo e da nutrição

   

apetite aumentado, retenção de líquidos

apetite diminuído

Perturbações do foro psiquiátrico

       

Doenças do sistema nervoso

 

cefaleia, enxaqueca

 

Acidente cerebrovascular, acidente isquémico transitório, atenção alterada

Afeções oculares

     

intolerância às lentes de contacto/olho seco

Vasculopatias

   

rubor quente

Tromboembolismo venoso

Doenças gastrointestinais

 

náusea

distensão abdominal

boca seca

Afeções hepatobiliares

     

litíase biliar Colecestite

Afeções dos tecidos cutâneos e subcutâneos

acne

 

hiperhidrose, alopecia, prurido, xerose cutânea, seborreia

cloasma, hipertricose

Afeções musculoesqueléticas e dos tecidos conjuntivos

   

sensação de peso

 

Doenças dos órgãos genitais e da mama

hemorragia de privação anormal

metrorragia, menorragia, dor mamária, dor pélvica

hipomenorreia, tumefação mamária, galactorreia, espasmo uterino, síndrome pré-menstrual, massa da mama, dispareunia, secura vulvovaginal

odor vaginal, mal-estar vulvovaginal

Perturbações gerais e alterações no local de administração

   

irritabilidade, edema

Fome

Exames complementares de diagnóstico

 

peso aumentado

enzima hepática aumentada

 
1Estão listados os termos MedDRA mais apropriados para descrever uma determinada reação adversa. Sinónimos ou situações relacionadas não são listadas, mas devem também ser tidos em consideração.

Adicionalmente às reações adversas mencionadas acima, foram notificadas reações de hipersensibilidade em utilizadoras de Zoely (frequência desconhecida).

Descrição de reações adversas selecionadas

Um aumento do risco de eventos trombóticos e tromboembólicos arteriais e venosos, incluindo enfarte do miocárdio, AVC, acidentes isquémicos transitórios, trombose venosa e embolia pulmonar tem sido observado em mulheres a tomar CHCs.

Notificação de suspeitas de reações adversas

A notificação de suspeitas de reações adversas após a autorização do medicamento é importante, uma vez que permite uma monitorização contínua da relação benefício-risco do medicamento.

Pede-se aos profissionais de saúde que notifiquem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema nacional de notificação.

Superdosagem

Doses múltiplas até 5 vezes a dose diária de Zoely e doses únicas até 40 vezes a dose diária de acetato de nomegestrol isolado, foram usadas em mulheres sem preocupações em termos de segurança. Com base na experiência geral com contracetivos orais combinados, podem ocorrer os seguintes sintomas: náuseas, vómitos e, em mulheres jovens, hemorragia vaginal ligeira. Não existem antídotos e o tratamento adicional deve ser sintomático.

Cuidados de Armazenamento

O medicamento não necessita de qualquer temperatura especial de conservação.

 

População Especial

Gravidez Zoely não é indicado durante a gravidez.

Se ocorrer uma gravidez durante a toma de Zoely, a toma de comprimidos deve ser interrompida. A maioria dos estudos epidemiológicos não revelaram um aumento do risco de malformações em lactentes nascidos de mulheres que tomaram COCs contendo etinilestradiol antes de engravidar, nem de efeitos teratogénicos quando COCs contendo etinilestradiol foram tomados inadvertidamente no início da gravidez.

Os dados clínicos relativos a um número limitado de gravidezes expostas não indicam efeitos adversos de Zoely sobre o feto ou recém-nascido.

Em estudos em animais, foi observada toxicidade reprodutiva com a associação de acetato de nomegestrol/estradiol (ver dados de segurança pré-clínica).

O aumento do risco de TEV durante o período pós-parto deve ser considerado quando se reinicia Zoely (ver secções 4.2 e 4.4).

Amamentação Podem ser excretadas pequenas quantidades de esteroides contracetivos e/ou dos seus metabolitos com o leite materno, mas não existe evidência que isto afete negativamente a saúde do lactente.

A amamentação pode ser influenciada pelos COCs uma vez que estes podem reduzir a quantidade e alterar a composição do leite materno. Consequentemente, não é recomendada a utilização de COCs antes do desmame total do lactente e deve ser proposto um método contracetivo alternativo à mulher que deseja amamentar.

Fertilidade

Zoely é indicado para a prevenção da gravidez. Para obter informações sobre o retorno à situação de fertilidade.

Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas

Os efeitos de Zoely sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas são nulos ou desprezáveis.

Riscos

Dados de segurança pré-clínica

Os estudos de toxicidade de dose repetida com estradiol, acetato de nomegestrol ou com a associação revelaram os efeitos estrogénicos e gestagénicos esperados. Os estudos de toxicidade reprodutiva realizados com a associação revelaram fetotoxicidade, a qual é consistente com a exposição ao estradiol.

Não foram realizados estudos de genotoxicidade e carcinogenicidade com a associação. O acetato de nomogestrol não é genotóxico. Contudo, deve ser tido em consideração que as hormonas sexuais podem promover o crescimento de certos tecidos e tumores sensíveis às hormonas.

Preço

A partir de R$249.95

Remedios relacionados

Este sitio utiliza cookies. Continuar usando recurso, acepta los terminos y políticas de tratamiento de datos personales.